Viva Las Vegas!

Quando o sujeito fica velho pensar no passado consome boa parte do tempo que ainda resta. Nesse meu último aniversário comecei a lembrar da época que era milionário, explorava minha e apostava tudo no vermelho 36. Eu devia ter uns 11 anos.

Las Vegas

Quando era pirralho alguém da minha rua (e “minha rua” aqui significa todas as ruas ao redor até as bordas do cemitério, que às vezes era incluído no território) teve a genialíssima idéia de inventar o dinheiro! Da mesma forma que alguém decidiu que um metal amarelo brilhante aparentemente inútil (eles não tinham processadores naquela época) valia mais que muitas vidas humanas, nós crianças decidimos que carteiras vazias de cigarro valiam algo. Lembro mais ou menos da escala: Hollywood valia 5 (tinha um cigarro bem ruinzinho que valia 1), Carlton valia 10, Camel e Marlboro eram 50, e um outro lá que todos chamavam de “capa preta” valia 100 (uma nota preta!). Quanto mais bling mais valor.

A senhora minha mãe é fumante antiga, acho até que tragava líquido aminiótico pelo cordão umbilical (por falar nisso, ela jura que não fumou na gravidez, mas não consigo acreditar nela porque isso explicaria muita coisa), e eu como mau filho que era estimulava seu vício pra pegar as carteiras vazias. O problema é que ela só fumava Hollywood o que me garantia uma renda muito baixa. Os moleques Bicho Solto eram mais empreendedores, andavam pelos bares e pelas ruas mais agitadas e faziam verdadeiras fortunas. Eu tinha de me contentar em andar olhando as sarjetas e ir pra casa às 9. Eu era classe média. Sim, a parte sobre ser milionário foi uma mentira pra prender sua atenção.

Mesmo todo esse dinheiro de carteiras de cigarro não podia comprar o mais reles chiclete, além de nossas necessitades básicas serem plenamente atendidas pelos pais. Então, o que nos restava fazer com o dinheiro? Ver quem era o mais rico é uma das primeiras coisas pra fazer num grupo de pessoas com dinheiro em excesso. Não tínhamos um top 100 da Forbes, mas Moacir era sem sombra de dúvida nicotinicamente podre de rico, tinha até carteira de cigarro importado. Todos se admiravam. Ele era o cara mais de rua que podia existir, e também era muito doido, do tipo Forrest Gump (me lembro agora da história de como ele ficou comovido quando meu primo o levou no puteiro — mas isso aqui não é mil e uma noites, então vamos voltar à história). E claro que foi Moacir, bilionário entrepreneur, que nos levou pro próximo nível das pessoas com dinheiro e sem ter com que gastar: o jogo!

Roleta

Moacir passou a andar com uma caixa, que desdobrada bem embaixo da luz de um dos poucos postes da grande ladeira no fim da rua, se tornava um cassino completo. Não exatamente completo, não tínhamos cartas, mas os dados e a roleta estavam lá pra quem quisesse apostar. “Derby?! Pode ir tirando esses couros-de-rato daqui que a aposta é alta: Carlton pra cima!”, “Porra, Moacir, aceita aí meus Hollywoods que ainda tá valendo.”, “Tá, tá, tá, então aposta logo essa miséria!” Cara, perdi tantos Hollywoods, mas foi melhor assim, em troca aprendi uma importante lição vendo Moacir enriquecer e todos os outros ficando pobres: no fim a casa leva.

Só tem um nível que nós ricaços das carteiras de cigarro não alcançamos: as putas. Nunca apareceu uma menina pra dançar no meio-fio do lado do cassino me permitindo colocar minhas carteiras vazias de Hollywood (provavelmente eu economizaria botando umas de Derby) na sua enorme calcinha de algodão.

Scrum Cards Open-Source Style

Conheci o Scrum aqui no INdT, e tendo sido adotado recentemente a maioria do pessoal ainda está aprendendo. Uma das técnicas do Scrum que chama atenção é a do planning poker, usada para estimar o esforço de uma estória (ou feature, mas estória dá uma idéia melhor). Nos explicaram que o esforço necessário para realizar a tarefa é para ser visualizado como tamanho, não como tempo. Mas era comum nos planejamentos sair frases como “quanto tempo vai levar?”, “acho que fazemos isso numa tarde”, e “não, não, nada de pensar em tempo”. Pra ajudar a me reeducar passei a imaginar que as tarefas eram grandes como elefantes ou pequenas como ratos. Daí pra ficar legal mesmo fiz um baralho de planejamento com imagens de bichos de tamanhos diferentes. Ao contrário dos chatos softwares proprietários quase todo projeto opensource ou de software livre tem um mascote simpático. Daí usei esse zoológico pra construir meu baralho.

verso das cartas

A pena é do projeto Apache, que certamente requer um esforço maior e vale mais que 1/2. É isso aí Coxa, estou falando com você. Ele disse “você tá louco?! O Apache 1/2!?”. A idéia é visualizar tamanho, e a pena é o mais leve da lista.
Verdade que nem todas as figuras são de projetos de código aberto. O clipe você deve conhecer e odiar de um softwarezinho proprietário aí. E esse clipe não vale nada, por isso é o zero. O outro personagem é a coruja retardada da interrogação. Essa coruja ficou famosa por causa deste poster motivacional:

Ela é incrível e somos todos grandes fãs aqui no INdT. Não há ninguém melhor pra ilustrar a carta “não faço a menor idéia do esforço disso”.

Agora alguns dados técnicos e a chatice legal. Fiz o baralho com o Inkscape e a fonte usada foi a Purisa (parte do pacote ttf-thai-tlwg no Debian/Ubuntu). A licença pro baralho é a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial.

As licenças de cada uma das imagens podem ser encontradas em seus respectivos sites. Duvido muito que você queira checar, mas vou colocar os links pros projetos (ou entradas na Wikipedia) assim mesmo.

Como a maioria dos posters motivacionais a coruja retardada é domínio público. Assim espero.

Não deu pra descobrir qual a licença do clipe idiota, mas se alguém reclamar deixo só os olhos dele e mando os membros pra sua família em Redmond.

O Lance da Zebra

Zebra tridimensional representada numa superf�cie

Numa das tardes do treinamento de Scrum meu subconsciente processava umas paradas da conversa sobre metafísica que tive com o dandrader pela manhã. Daí essa frase se formou e foi parar num postit:

“The bidimensional creature can only see a slice of the tridimensional zebra.”

O Alisson catou o papel e levou a frase pra uma discussão na hora do intervalo na beira da piscina. Minha intenção não era essa, mas pelo que os caras discutiram até agora a dita frase vertida para o português brasileiro de Recife ficaria assim:

“Aí gata, vamo lá em casa pra eu te mostrar minha coleção do Carl Sagan.”

Ainda nesse espírito, o Thiago ensinou uma outra frase que, segundo ele, pode bloquear as sinapses do cérebro feminino por alguns segundos, tempo suficiente pra o sujeito trabalhar no sentido de agir. Eis a frase:

“Você já ouviu Harvest of Sorrow do Metallica?”

Ele falou que é infalível. E sobre a zebra, deixo pra elaborar a causa num outro dia que passar a tarde comendo grãos de café.

1 Dentro

Hoje eu dei uma dentro. Na verdade a thread fantasma que roda no meu cérebro deu uma dentro. E como o Marcio reparou que só escrevo sobre meus revezes, aqui vai essa:

Era uma tarde ensolarada no escritório do INdT quando o Lauro (Venâncio) lê uma notícia em voz alta: “Olha só, hospital oferece tratamento pra viciados em internet.”

Antes que eu pudesse pensar minha boca falou: “Mas tem atendimento online?”

Rapaz! Você tinha de ver as convulsões do Lauro. Se tivesse um prêmio bozolho no INdT eu levava o desse ano.